quarta-feira, 27 de setembro de 2017

“To be or not to be” – Idólatra


to be 2

Idolatria é trocar Deus por outra coisa ou pessoa, é adorar a um falso deus. 

Todas as pessoas de todas as religiões devem ser respeitadas, amadas e devem ter o direito de expressar suas crenças e opiniões.

No entanto, não é em nome do amor que vamos deixar de dizer a verdade. Isto seria uma contradição.

Deus condenou também a invocação aos mortos (Deuteronômio 18.9-14). 

O pecado da idolatria é um dos mais combatidos pelos profetas da Velha Aliança.

Enquanto que os outros pecados, em geral, são ofensas contra Deus, a idolatria configura-se como abandono ao verdadeiro Deus. 

Essas praticas são alguns dos grandes erros doutrinários de vários segmentos religiosos.

Sabemos que muitos dos santos adorados hoje foram de fato pessoas santas, servos de Deus, dignos de serem imitados, porém, morreram, e não ressuscitaram. 

Quando alguém lhes dirige uma oração, está fazendo uma invocação aos mortos, o que Deus proibiu e condenou.

Tais fiéis, pessoas sinceras e bem intencionadas, deveriam estar fazendo seus pedidos a Deus (Pai, Filho e Espírito Santo). Jesus mesmo nos ensinou a orar direto ao "Pai nosso".

Dizem que os santos intercedem pelos vivos. Mas, o que diz a Bíblia?

Jesus é o único mediador entre Deus e os homens, conforme está escrito na primeira epístola de Paulo a Timóteo (2.5). Isto, porque Jesus foi o único que morreu na cruz para nos salvar do inferno, tomando sobre si o castigo pelos nossos pecados.

Jesus e o Espírito Santo são os únicos que intercedem por nós diretamente diante do Pai (Isaías 53.12 e Romanos 8.26).

É verdade que as pessoas vivas intercedem umas pelas outras, mas os mortos não intercedem por ninguém. Está escrito que os mortos não têm parte alguma no que sucede debaixo do sol (Eclesiastes 9.5-6). Eles não participam, não veem, não ouvem orações, não intercedem, nem interferem.

Logo, vemos a invocação aos santos como idolatria e politeísmo. O apóstolo Paulo, quando estava vivo, não admitiu que ninguém o adorasse nem se prostrasse diante dele (Atos 14.11-15). Se hoje ele pudesse falar a todos
quantos o invocam e veneram como santo, talvez ele repetisse suas palavras do texto de Atos: "Por que fazeis essas coisas? Nós também somos homens como vós”!


Quando o apostolo João, inadvertidamente, se prostrou diante de um anjo, este o repreendeu dizendo: "Não faças tal coisa. Sou teu conservo... Adora a Deus”!

Só diante de Deus devemos nos prostrar. Somente a ele devemos dirigir nossas orações. "Ao Senhor teu Deus adorarás e somente a ele darás culto." (Mateus 4.10).
Devemos adorar ao Criador e não à criatura. (Romanos 1.21-25).

Infelizmente há irmãos cristãos que não leem a Bíblia e seguem os dogmas definidos pela sua religião. Esses dogmas foram definidos por homens, pecadores como nós e, portanto, são passíveis de erros.

Não adianta esses cristãos dizerem “Nós não adoramos imagens e santos, apenas veneramos as pessoas que elas representam”.

Vejam estas orações e tirem suas conclusões:

“Maria, mãe de Deus e nossa mãe, venho pedir a tua poderosa intercessão,  recorrer a teu amparo, colocando também os meus entes queridos sob a proteção da mãe amorosa que tu és. Como nossa advogada, defendei a nossa causa, afasta para longe de nós todo mal, para que não sejamos vítimas das investidas do inimigo. Abençoe cada um de nós, peça a teu filho Jesus a nossa cura interior, física, psicológica ou traumática. ao teu amparo recorremos agora e sempre santa mãe de deus e nossa mãe. Amém”.

“Ó Deus todo-poderoso, pela intercessão de Maria, nossa mãe, socorrei os fiéis que se alegram com sua proteção, livrando-os de todo mal neste mundo e dando-lhes a alegria do céu. filho bendito da virgem Maria rogai por nós. Amém!”

O certo é que eles (os cristãos) se ajoelham, pedem diretamente aos santos que intercedam a Jesus. Sem contar que fazem procissões carregando essas imagens. 

Se isso não é idolatria, o que é?

I Timóteo 2:5 declara: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.” Não há qualquer outro que possa ser mediador entre nós e Deus.

Se Jesus é o ÚNICO mediador, isto indica que Maria e os santos não podem ser mediadores. Eles não podem mediar nossos pedidos de oração a Deus.

A Bíblia não dá absolutamente nenhuma indicação de que Maria ou os santos possam ouvir nossas orações. Maria e os santos não são oniscientes, nem onipresentes.

Mesmo glorificados no Céu, eles são seres finitos com limitações. Como poderiam ouvir as orações de milhões de pessoas?

Todas as vezes que a Bíblia menciona orar ou falar com os mortos, é em um contexto de magia, bruxaria, necromancia e ocultismo – atividades que a Bíblia fortemente condena (Levítico 20:27; Deuteronômio 18:10-13).

E, por derradeiro, gostaria de tecer alguns comentários sobre o 1º e o 2º Mandamento da Lei de Deus:

Com relação aos 10 mandamentos dados por Deus a Moisés que encontramos tanto nas Bíblias consideradas Evangélicas como nas Bíblias Católicas percebemos que a Igreja católica ensina em seu catecismo uma forma diferente, vejamos essas diferenças, principalmente no 1º e 2º Mandamentos.

Diferenças:
No lugar de:
1)   Não terás outros deuses diante de mim. 
2)   Não farás para ti imagem de escultura... 
    Colocou-se:
    1) Amar a Deus sobre todas as coisas
    2) Não tomar seu santo nome em vão

Como podemos observar, ocultaram assim a reprovação de Deus em relação às Imagens de Esculturas que fazem parte das Igrejas e Catedrais Católicas. 

Ocultaram também a ordem de Deus para não cultuar a tais imagens, pois desse modo missas especiais para santos ou santas (padroeiros e padroeiras) seriam banidas das igrejas. 

Ocultaram ainda a Reprovação Divina de fazer igrejas, festas etc... em adoração/ Homenagens a Santos(as) "Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus.."(Ex.20:5)

De acordo com o segundo mandamento é proibida a fabricação de imagens para serem idolatradas, como também é vedado o culto, veneração a imagens de santos ou santas, deuses... 

Está claro que o Primeiro e segundo mandamentos do Decálogo  segundo a Bíblia, muda completamente os ritos de culto nas Igrejas Católicas, banindo de vez os ídolos de dentro dos santuários.

Alguém pode explicar o porquê dessa alteração? 

Espero que com estas explicações os meus irmãos católicos façam uma reflexão e busquem na Bíblia Sagrada estas afirmações que fizemos.

Pb. João Placoná